Hiperpigmentação Pós Inflamatória

hiperpigmentação-pós-inflamatória

Social Media

Most Popular

Categories

Hiperpigmentação Pós Inflamatória entenda tudo sobre.

As hipercromias são desordens de pigmentação que tem origem numa produção exagerada de melanina.

Tais manchas podem surgir devido a fatores como envelhecimento, alterações hormonais, inflamações, alergias e exposição solar, dentre outros.

A pigmentação da pele está associada a algumas células, nomeadamente, os melanócitos.

Estes são responsáveis pela produção de um pigmento habitualmente denominado por melanina, que confere à pele uma proteção natural contra as radiações ultravioleta emitidas pelo sol.

Hiperpigmentação pós-inflamatória é sequela comum de dermatoses inflamatórias; tende a afetar pacientes de pele mais escura com maiores frequência e gravidade.

Ação dos melanócitos

As discromias, patogenias caracterizadas por alteração da cor natural da pele, diretamente relacionadas a distúrbios do sistema melanócitos, apresentam-se de forma localizada, difusa, regional ou circunscrita no corpo.

Essas desordens pigmentarias, locais ou generalizadas classificadas de acordo com a distribuição anômala de melanina em acromias, hipocromias e hipercromias.

Então a estimulação do melanócito por fatores internos ou externos leva a produção excessiva de melanina epidérmica ou dérmica o que origina manchas hipercrômicas.

Estas hipercromias, hiperpigmentações ou ainda hipermelanoses quando apresentam circunscritas chamadas de máculas e quando difusas ou regionais melanodermias.

A hiperpigmentação pós inflamatória (HPI) ocorre provavelmente devido ao aumento da produção ou deposição de melanina na epiderme ou derme pelos melanócitos.

Tipicamente lesões epidérmicas aparecerão com tonalidade marrom-escura, marrom ou bege, enquanto hipermelanose dérmica tende a ter coloração azul-acinzentada.

Nós da Cursos Em Estética, que juntamente com a Dra. Thuanny Farina, especialista em procedimentos estéticos avançados, criamos uma escola para ajudar profissionais a se especializarem em cursos na área da estética.

Processos envolvidos na hiperpigmentação pós inflamatória

A HPI considerada como uma resposta normal do organismo, após regressão de algum tipo de doença de pele, deixando no lugar, uma mancha escura.

Não se conhece o mecanismo fisiopatológico, mas deverá envolver certas substâncias libertadas devido à inflamação, capazes de estimular os melanócitos.

Pode se dizer que o grau de hiperpigmentação tem relação com a intensidade e a duração da exposição aos fatores causais da HPI.

Ao menos dois processos estão envolvidos na hiperpigmentação após a inflamação da pele resultando em melanose epidérmica ou dérmica.

O primeiro é a incontinência pigmentar posterior à destruição da camada de célula basal da pele.

A consequência desse processo é o acúmulo de melanófagos na derme superior.

O macrófago pode fagocitar o queratinócito basal degenerado e os melanócitos, ambos, contendo grande quantidade de melanina, podendo permanecer na derme superior por algum tempo.

O outro processo envolve a resposta inflamatória epidérmica, resultando na oxidação do ácido araquidônico para prostaglandinas e leucotrienos.

Esses mediadores levam ao estímulo dos melanócitos epidérmicos, que acarretam o aumento da síntese de melanina e transferência do pigmento aos queratinócitos circundantes.

Em outras palavras, a hipermelanose epidérmica resulta do excesso de estimulação e subsequente transferência para os grânulos de melanina.

Tratamento das hiperpigmentações

Embora não seja responsável por graves sequelas no organismo, a HPI pode ter impacto negativo na qualidade de vida do paciente e acarretar significativas consequências psicológicas, justificando a busca de tratamento pelos pacientes portadores das manchas em questão.

O tratamento de hiperpigmentação pós-inflamatória deve iniciar precocemente para ajudar a acelerar sua resolução e deve começar com a gestão da condição inflamatória inicial.

O tratamento das desordens hiperpigmentares realizado à base de substâncias despigmentantes ou clareadoras da pele.

Sabe-se que o tratamento da pele discrômica é, de certa forma, difícil, pois muitos compostos efetivos no tratamento apresentam propriedades irritantes e podem, em certos casos, promover descamação (peeling).

Observa-se também que o resultado satisfatório não consegue imediatamente, pois a despigmentação ocorre gradualmente.

Os agentes despigmentantes podem atuar por diferentes mecanismos de ação.

Contudo, todos eles estão ligados à produção ou transferência de pigmentos, entre eles, a destruição seletiva dos melanócitos, inibição da formação de melanossomas e alteração da sua estrutura, inibição da síntese da tirosina, inibição da formação de melanina, interferência no transporte dos grânulos de melanina, alteração química da melanina, degradação de melanossomas e de queratinócitos.

Cada agente despigmentante tem características próprias que interferem na efetividade da sua ação.

Você também pode acompanhar mais conteúdos exclusivos através do nosso Instagram:

@drathuannyfarina

Share:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

On Key

Posts Relacionados

Habilitação Coffito

Cursos de Capacitação para Fisioterapeutas espaço A Cursos em Estética é habilitada pelo Coffito a ministrar cursos de capacitação para profissionais fisioterapeutas de Toxina Botulínica,

Ácido Alfa Lipóico

Ácido Alfa Lipóico É um ácido graxo de cadeia curta, encontrado nas mitocôndrias, sintetizado no fígado e também é obtido na dieta pelas carnes de

Você sabe o que é BCAA?

Você sabe o que é BCAA O termo BCAA é na verdade uma abreviação de Branched Chain Amino Acids, ou Aminoácidos de Cadeia Ramificada, que