Flacidez Tissular: Causas e Fisiopatologia no Envelhecimento

flacidez-tissular

O envelhecimento, um fenômeno fisiológico, afeta todos os tipos de tecidos, incluindo o colágeno, componente crucial do tecido conjuntivo, que se torna progressivamente mais rígido com o passar dos anos.

A flacidez tissular é um processo decorrente da atrofia tecidual associada ao envelhecimento, caracterizada pela perda contínua de massa muscular, substituída por tecido adiposo.

Flacidez Tissular e Fisiopatologia

Primeiramente a flacidez cutânea é um processo lento e progressivo, diretamente relacionado à diminuição na produção de fibras de colágeno e elásticas no tecido subcutâneo, resultando na perda de elasticidade.

Iniciando a partir dos 25 anos, esse processo fisiológico é inevitável.

Sendo assim a pele possui um comportamento viscoelástico, o que implica que, quando seu limite elástico ultrapassado, como no caso de uma pessoa magra que engorda rapidamente e depois emagrece.

A pele não retorna ao tamanho original, gerando o “excesso de pele” conhecido como flacidez estética.

Fisiopatologia da Flacidez e Exposição Solar

Sendo assim elasticidade da pele está diretamente ligada à arquitetura tridimensional das fibras de colágeno e elastina presentes na derme.

Em uma pele não exposta à radiação, essas fibras formam um padrão ordenado de malhas verticais.

Porém, na pele exposta às radiações, ocorrem alterações nas malhas e enfraquecimento das fibras elásticas.

Os raios UVA estão mais relacionados à flacidez, enquanto os raios UVB contribuem para o surgimento de rugas.

Portanto a exposição crônica a ambos os tipos de radiação resulta em deformações similares nas fibras elásticas e diminuição da elasticidade cutânea.

O mecanismo mais aceito para explicar essas alterações estruturais devido à exposição solar envolve o aumento da produção de:

  • IL-1?;
  • L-6;
  • GM-CSF

Pelos queratinócitos após exposição repetida aos raios UV.

A IL-1? e o GM-CSF penetram na derme e aumentam a secreção de neprilisina pelos fibroblastos, rompendo as fibras elásticas e comprometendo a estrutura da malha.

A IL-6, por sua vez, atua na degradação do colágeno tipo I ao promover a ativação das metaloproteinases.

Causas da Flacidez: Fatores-chave

  1. Envelhecimento: O declínio na tonicidade muscular e as mudanças nas fibras de colágeno da pele ocorrem à medida que envelhecemos.
  2. Sedentarismo: Exercícios com peso ajudam a fortalecer músculos e tonificar a pele, reduzindo a flacidez.
  3. Emagrecimento: A flacidez resultado do estiramento excessivo da pele, como na gravidez, ou do efeito sanfona causado por dietas radicais.
  4. Hormonal: Após a menopausa, a variação hormonal leva à diminuição do colágeno e da elastina, exigindo cuidados redobrados com a flacidez.
  5. Predisposição genética: Algumas pessoas têm maior propensão à flacidez devido à estrutura genética da pele, que afeta as fibras de colágeno e elastina.
  6. Exposição excessiva ao sol: A degradação das fibras de sustentação da pele e o aparecimento da flacidez causada pela exposição excessiva ao sol e dieta baixa em proteínas.

Nós da Cursos Em Estética, que juntamente com a Dra. Thuanny Farina, especialista em procedimentos estéticos avançados, criamos uma escola para ajudar profissionais a se especializarem em cursos na área da estética.

Compartilhe nas mídias:

Comente o que achou: